Médiuns iletrados: os que escrevem, como médiuns, sem saberem ler, nem escrever, no estado ordinário. “Mais raros do que os precedentes; há maior dificuldade material a vencer.” Médiuns escreventes ou psicógrafos: os que têm a faculdade de escrever por si mesmos sob a influência dos Espíritos.

Médiuns escreventes mecânicos: aqueles cuja mão recebe um impulso involuntário e que nenhuma consciência têm do que escrevem. Muito raros. (Nº 179).


Médiuns semi-mecânicos: aqueles cuja mão se move involuntariamente, mas que têm, instantaneamente, consciência das palavras ou das frases, à medida que escrevem. São os mais comuns. (Nº 181.)


Médiuns intuitivos: aqueles com quem os Espíritos se comunicam pelo pensamento e cuja mão é conduzida voluntariamente. Diferem dos médiuns inspirados em que estes últimos não precisam escrever, ao passo que o médium intuitivo escreve o pensamento que lhe é sugerido instantaneamente sobre um assunto determinado e provocado. (Nº 180.)

Médiuns músicos: os que executam, compõem, ou escrevem músicas, sob a influência dos Espíritos. Há médiuns músicos, mecânicos, semi mecânicos, intuitivos e inspirados, como os há para as comunicações literárias. (Vejase — Médiuns para efeitos musicais.)


Médiuns versejadores: obtêm, mais facilmente do que outros, comunicações em verso. Muito comuns, para maus versos; muito raros, para versos bons. Médiuns poéticos: sem serem versificadas, as comunicações que recebem têm qualquer coisa de vaporoso, de sentimental; nada que mostre rudeza. São, mais do que os outros, próprios para a expressão de sentimentos ternos e afetuosos. Tudo, nas suas comunicações, é vago; fora inútil pedir-lhes idéias precisas. Muito comuns.

Cristo em Azul, pintura feita por José Luiz Marques Ferreira em 1971, original com guache azul, assinada: “Zé Luiz 71

Não leia bons livros, pois existem os considerados ôtimos.

Médiuns historiadores: os que revelam aptidão especial para as explanações históricas. Esta faculdade, como todas as demais, independe dos conhecimentos do médium, porquanto não é raro verem-se pessoas sem instrução e até crianças tratar de assuntos que lhes não estão ao alcance. Variedade rara dos médiuns positivos.

Caso de reencarnação, livro "Porto de Alegria". Chico Xavier

Agende um Trabalho.

MÚSICA  MEDIÚNICA

Conheça todas as teoria, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana. Carl Jung

...]Já no próprio recinto daquela memorável reunião, após a grande emoção, o casal começou a dialogar, buscando uma luz que esclarecesse a questão.  Por que a semelhança das telas?, era a dúvida angustiosa.[...]
[...] Logo após a inesquecível reunião da capital paulista, Dª Nelly e esposo demonstraram interesse em possuírem a tela assinada por Modigliani, mas Gasparetto não pode atender-lhes, pois, segundo o médium, ela seria objeto de estudos.  Porém, pouco mais de um ano depois, a emprestou para que fosse mostrada ao médium Chico Xavier.
[...]Se ainda restava alguma dúvida ao casal, ela foi totalmente desfeita na visita posterior, quando Chico, no final da reunião pública de sexta-feira, 15 de outubro de 1982, disse-lhes:
“- Preciso muito falar com vocês, amanhã cedo.”
  E, realmente, no dia seguinte, o médium recebeu-os em sua residência, às 11 horas, em companhia do casal Weaker e Zilda Batista, e contou-lhes :
“– Um Espírito levou-me à França e lá estive numa praça, com muitas pessoas, onde estavam expostas várias telas.  Observei que as obras de arte tinham a assinatura “Modigliani”.  Destacava-se, de um grupo, um moço alto e bonito.  Dirigi-me, então, ao Espírito amigo que me conduzia e perguntei-lhe: - Eu conheço esse moço – e ele respondeu-me: - Conhece, sim. – Mas, eu conheço este moço no Brasil . – Exatamente, este moço no Brasil, foi o José Luiz.”
E Chico Xavier concluiu sua narrativa com estas palavras.
“– Dona Nelly, foi em Paris que eu vi isso.  Foi em Paris.”
Parece que o espírito, como força que molda o corpo físico,  se sobrepõe em  alguns casos até mesmo às tendências genéticas, pois a semelhança  entre José Luiz e Modigliani chama atenção. No livro, podemos ver as obras de José Luiz e do famoso artista plástico italiano, profundamente  sintonizadas no estilo e nos temas. É o mesmo autor, que de volta à Terra no século XX, através da reencarnação,  escolheu o anonimato no Brasil. Não deixou, porém, de manifestar o talento de seu espirito. Pelos sertões e periferias do Brasil, emergem artistas incríveis Fora da mídia, sem formação acadêmica, alguns até mesmo não alfabetizados,compõem versos e canções, tocam diversos instrumentos, pintam, constroem com qualidade incompátível com sua atual história de vida e formação. Vieram nos brindar com sua arte, sem fama e sem recursos, provando que o espírito é a essência  e que nem o tempo, nem as dificuldades apagam seu brilho.

Minha vida é a música, e a música é minha vida. Mozart

Médiuns pintores ou desenhistas: os que pintam ou desenham sob a influência dos Espíritos. Falamos dos que obtêm trabalhos sérios, visto não se poder dar esse nome a certos médiuns que Espíritos zombeteiros levam a fazer coisas grotescas, que desabonariam o mais atrasado estudante.

“São muito comuns, mas também muito sujeitos a erro, por não poderem, muitas vezes, discernir o que provém dos Espíritos do que deles próprios emana.”


Médiuns polígrafos: aqueles cuja escrita muda com o Espírito que se comunica, ou aptos a reproduzir a escrita que o Espírito tinha em vida. O primeiro caso é muito vulgar; o segundo, o da identidade da escrita, é mais raro. (Nº 219)


Médiuns poliglotas: os que têm a faculdade de falar, ou escrever, em línguas que lhes são desconhecidas. Muito raros.

TRATAMENTO  MEDIÚNICO

Veja com atenção as fotos acima. Há um episódio curioso, envolvendo pintura mediúnica de Gasparetto, Chico Xavier e a família do jovem à esquerda. Sim, são teoricamente pessoas diferentes. O da esquerda, chama-se José Luiz, nasceu em 1950, é brasileiro e faleceu aos 22 anos. A foto à direita é do artista plástico Amedeo Clemente Modigliani que nasceu na Itália e faleceu em 1920, em Paris. É impressionante a semelhança entre os dois jovens. Colocamos abaixo trechos desse curioso caso de reencarnação, descrito no livro "Porto de Alegria", de Francisco Cândido Xavier.

Médiuns receitistas: têm a especialidade de servirem mais facilmente de intérpretes aos Espíritos para as prescrições médicas. Importa não os confundir com os médiuns curadores, visto que absolutamente não fazem mais do que transmitir o pensamento do Espírito, sem exercerem por si mesmos influência alguma. Muito comuns.

Livros

PINTURA  MEDIÚNICA

POESIA  MEDIÚNICA

A dúvida é o princípio da sabedoria. Aristoteles

Quando vi Franz Liszt pela primeira vez eu tinha sete anos de idade e já estava acostumada a ver os Espíritos dos chamados mortos. Eu estava num quarto do andar de cima, de um velho casarão de Londres, onde ainda moro(...).Por alguma razão, naquela manhã ele não disse quem era. Presumi que ele sabia que eu eventualmente veria um retrato seu em algum lugar e o reconheceria(...). Tudo o que disse, falando devagar por eu ser uma criança, foi que, quando estivera neste mundo havia sido compositor e pianista. Disse ele: -“Quando você crescer, eu voltarei e lhe transmitirei música. Foi muito claro. Uma simples afirmação, sem sentenças complicadas, nem palavras difíceis, formulada para a compreensão de uma criança”. Assim começa Rosemary Brown  seu relato daquele fato ocorrido no longínquo 1923, reproduzido no livro SINFONIAS INACABADAS (edigraf),  publicado em 1973. O retorno de Liszt ocorreria em março de 1964, quando Rosemary contava 41 anos de idade. Aí começaram a se fazer presentes vários ícones da musica erudita Além de Liszt - organizador do trabalho -, Chopin, Schubert, Beethoven, Bach, Brahms, Schumann, Debussy, Grieg, Berlioz, Rachmaninoff, Monteverdi, se serviram da médium para oferecer à nossa Dimensão algumas de suas composições elaboradas no Plano Espiritual, possibilitando, em 1970, o lançamento do primeiro disco vinil com oito peças selecionadas por produtores musicais da renomada gravadora Polygram, sob o título COMPOSITORES DO ALÉM. Rosemary reconhecia que “a comunicação nem sempre era fácil para eles, havendo uma finalidade definida por detrás desse trabalho”. Afinal ela não tinha uma educação musical muito abrangente como escreveu:-“Para mim, naquele tempo, um par de sapatos novos tinha um significado maior do que ingressos para um concerto de música clássica. Na realidade raramente sobrava dinheiro para comprar sapatos, e, certamente nenhum para concertos”. Para entendermos a razão desses fenômenos, alguns trechos de um texto escrito pelo Espírito do musico e compositor Sir Donald Tovey, especialmente para ser reproduzido na contra-capa do primeiro disco, podem ser úteis. Era o dia primeiro de janeiro de 1970, Rosemary não conseguia conciliar o sono e o Espírito se apresentou dizendo: -“Bem, uma vez que você não consegue dormir, bem que podemos fazer algo”. Ela, um tanto relutantemente, levantou-se da cama, vestiu um roupão, sentou-se e, entre outras coisas ele escreveu:-“..a possibilidade de os compositores do passado ainda estarem vivos em Dimensões diferentes da nossa, e esforçando-se para se comunicarem, não deve ser rejeitada apressadamente(...). A Humanidade caminha atualmente para uma idade de crescente emancipação de muitas de suas passadas limitações. As conquistas técnicas e os progressos médico imprimem uma progressiva liberdade de várias formas de opressão e males. O maior problema do homem é ainda ele mesmo e sua posição relativamente ao seu semelhante.Para que se  compreendessem melhor, deveria conscientizar-se do fato de que ele não consiste meramente de uma forma transitória, condenada à velhice e à morte. Tem uma alma imortal, abrigada num corpo mortal, e é dotado de uma mente que independe do cérebro físico( na época, e, por vários anos acreditava-se que a mente resultava do funcionamento do cérebro). Ao comunicar-se através da música e da conversação, um grupo organizado de compositores, que partiu deste seu mundo, está tentando estabelecer um preceito para a Humanidade, ou seja, que a morte física é uma transição de um estado de consciência a outro no qual conserva a sua individualidade. A compreensão deste fato encaminhará o homem a uma visão interior da sua própria natureza e das suas potencialidades supra-terrestres. O conhecimento de que a encarnação(apesar da realidade do Mundo Espiritual ser naturalmente aceita na Inglaterra, a ideia da reencarnação,  ainda não) no seu mundo nada mais é do que um estágio da vida eterna do homem, promoverá atitudes de maior amplitude de que as adotadas no presente e ensejarão uma visão mais equilibrada acerca de todas as coisas”. Mais dois discos com músicas recebidas mediunicamente por Rosemary foram lançados, respectivamente, em 1977 e 1988. Ela desencarnou em 2001, tendo marcado uma época com sua sensibilidade, materializando peças como a que você pode ouvir clicando:

Ajude-nos a ajudar.

A imaginação é mais importante que o conhecimento. Albert Einstein

Cristo em Azul, de (Modigliani) (1981) recebido pelo médium Gasparetto (Original azul, com lápis-cera